18.5 C
Brasília
Thursday, July 18, 2024

Quando a raiva é recebida com amor…


raivaHoje é Otto escrevendo e eu quero compartilhar uma história sobre um dos dias mais difíceis da minha vida, na esperança de que seja útil para você. Aproveite…

Eram cerca de 21h30 de um sábado à noite e meu filho estava tão cheio de raiva, chateado e furioso por causa de um desentendimento que ele tinha acabado de ter com a mãe que, quando ele chegou em casa, eu o parei e não o deixei entrar.

Isso foi há 17 anos. Meu filho tinha 18 anos e estava prestes a entrar na faculdade e, depois de muitas discussões tarde da noite e introspecção, Susie e eu concordamos que ele poderia se mudar para nossa casa.

Imaginamos que tínhamos espaço additional na casa em que morávamos na época e que isso economizaria muito dinheiro para meu filho em moradia, já que a faculdade que ele escolheu ficava a apenas vinte minutos de carro.

Já fazia dez anos que a mãe do meu filho e eu nos separamos e, embora Susie e meu filho tivessem um bom relacionamento durante esses anos, morar conosco não só testaria o relacionamento deles, mas também testaria meu relacionamento com ele e Susie.

Tornar-se uma “família mesclada” não é pouca coisa, e o que aconteceu entre meu filho, Susie, e eu na noite em que ele estava programado para se mudar me fez pensar que tudo isso foi um grande erro, especialmente sua raiva aparentemente descontrolada.

Naquela noite de sábado, meu filho encheu o carro com tudo o que precisaria em curto prazo e dirigiu 40 minutos até onde Susie e eu morávamos na época.

Eu sabia que haveria um problema no momento em que o vi.

Quando ele saiu do carro, ele bateu a porta do motorista com tanta violência que pensei que fosse quebrar as janelas do carro.

Apertei o botão para abrir a porta da garagem e deixá-lo entrar, e quando ele chegou à porta de tela que dava para o inside da casa, ele a abriu com tanta força que achamos que ele (ou ele) poderia fazer um buraco na parede de gesso da garagem ou pior.

Eu pensei que isso period ruim, mas quando Susie viu tudo o que estava acontecendo com ele, ela disse: “Ele não pode entrar aqui desse jeito. Ele vai machucar alguém, destruir a casa ou ambos” e eu concordei.

Chateado e irritado, eu o encontrei na porta, me permiti um momento para me acalmar, acompanhei-o de volta para fora e disse que ele tinha que encontrar uma maneira de se controlar antes de poder entrar.

Isso foi importante porque foi um daqueles momentos decisivos na minha vida em que (talvez pela primeira vez desde o divórcio) eu mantive minha posição firme com ele e, ao mesmo tempo, demonstrei amor whole naquele momento.

Até hoje, não tenho certeza do que estava acontecendo entre ele e sua mãe, mas, para se controlar, ele deu uma longa caminhada ao redor do quarteirão e desapareceu pelo que pareceu uma eternidade.

Quando ele voltou, eu o abracei e disse que o amava, e ele apenas chorou e chorou.

Meu filho morou comigo e com Susie por mais de quatro anos, período em que ele frequentou a faculdade e mais um pouco.

Havia muitos desafios de comunicação quando nenhum de nós conseguia se dar bem e houve muitas vezes em que nosso novo arranjo de vida period totalmente incrível e a comunicação period fácil.

Isto é vida. Isto é amor. E isto também faz parte do fluxo e refluxo pure dos relacionamentos.

Eu não só queria fazer tudo o que pudesse para cultivar um relacionamento próximo e amoroso com meu filho, como também queria fazer tudo o que estivesse ao meu alcance para manter o amor, a paixão e a conexão com Susie vivos e crescendo também.

Acho que fiz isso.

Não só ainda tenho um relacionamento muito bom com meu filho, mas Susie e eu estamos mais próximos, mais conectados e mais apaixonados depois de estarmos juntos por mais de 22 anos, como éramos no início do nosso relacionamento.

Quais são as chaves?

–Uma coisa que posso dizer sem hesitação é que a comunicação tem sido uma das chaves para que tudo isso funcione.

Quando as coisas ficaram difíceis, o comprometimento de não fugir, de não se esconder, de continuar a se abrir com amor e a disposição de ter conversas difíceis, mesmo quando você preferiria não ter que lidar com ninguém ou nada, fez toda a diferença.

–Outro ponto-chave é estar bem com a agitação interna que vem do medo de pensar no passado e no que pode acontecer no futuro.

Quando permito que a agitação, minha própria raiva ou qualquer emoção que surja dentro de mim passe por mim sem atribuir muito significado a isso…

Quando foco no que realmente quero em meus relacionamentos, o amor e a compreensão aparecem.

O que também sei é que uma pessoa pode mudar totalmente um relacionamento para melhor!

Se eu tivesse permitido que minha raiva tomasse conta de mim naquela noite com meu filho, acho que não teríamos o relacionamento que temos hoje.

Dei espaço para ele se acalmar e dei espaço para mim também, e desse espaço, além de perder as histórias assustadoras, surgiu o amor.

Se você quiser conversar comigo sobre como isso pode funcionar na sua vida, entre em contato comigo aqui.

Related Articles

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Latest Articles