13.5 C
Brasília
Sunday, July 21, 2024

Estabelecendo limites com outras pessoas


No sentido mais simples, uma fronteira separa uma coisa da outra. Uma cerca é um limite entre duas propriedades; nossa pele é a fronteira entre nossos órgãos e o mundo exterior. Uma fronteira é a linha onde uma coisa termina e outra começa.

Quando estabelecemos um limite com outra pessoa, criamos algum tipo de separação entre nós. Poderíamos imaginar nossos limites como escudos que nos protegem de coisas que ameaçariam nosso bem-estar, como a grosseria dos outros, o descarregamento emocional dos outros, o toque indesejado ou os compromissos para os quais não temos tempo e espaço. Os limites nos permitem honrar nossos limites – o que funciona para nós e o que não funciona – e projetar nossas vidas e relacionamentos em torno desses limites.

Em última análise, os limites são um reconhecimento de que não podemos controlar o que os outros dizem ou fazem, mas podemos controlar a forma como respondemos e o que permitimos entrar no nosso ambiente. É disso que se trata os limites. Embora os limites criem separação no curto prazo, eles são realmente necessários e saudáveis ​​em todos os relacionamentos.

LIMITES VS. SOLICITAÇÕES DE

Quando fazemos pedidos a outras pessoas, pedimos-lhes que mudem o seu comportamento.

Mas quando estabelecemos um limite, mudamos o nosso próprio comportamento para proteger a nós mesmos, às nossas necessidades e aos nossos limites. Como discutimos no capítulo anterior, as solicitações são, em sua essência, colaborativas: uma solicitação bem-sucedida exige que outra pessoa mude suas ações. Os limites, por outro lado, não exigem a participação de terceiros. Quando estabelecemos um limite, avaliamos o que não funciona para nós e agimos de acordo. Esses exemplos demonstram a diferença entre solicitações e limites.

Como você pode ver nesses exemplos, nossos limites não têm a ver com mudar outras pessoas: tratam-se de estabelecer limites claros para o que toleraremos ou não toleraremos de outras pessoas. Por esse motivo, os limites não são ferramentas para obter mais de alguém. Não podemos “limitar” uma pessoa a nos dar mais carinho, atenção, gentileza ou colaboração. Podemos pedir-lhes mais – é disso que se trata os pedidos – mas, em última análise, os limites consistem em nos separar de situações que não atendem às nossas necessidades ou de interações que nos fazem sentir inseguros, invisíveis ou prejudicados de alguma forma.

COMUNICANDO NOSSOS LIMITES

A maneira como comunicamos nossos limites depende de nossa situação. Poderíamos usar:

A abordagem curta e doce

A abordagem curta e amável tende a funcionar melhor quando outros nos fazem pedidos que não podemos ou não queremos atender. Talvez nossa irmã pergunte se pode pegar nosso carro emprestado; talvez nosso acompanhante pergunte se gostaríamos de voltar para o apartamento deles; talvez um membro da comunidade pergunte se podemos ser voluntários na venda de bolos do bairro. Nestes casos, um limite claro e direto servirá:

• “Não.”

• “Não, obrigado.”

• “Não posso.”

• “Não tenho tempo.”

• “Hoje nao.”

• “Isso não vai funcionar para mim.”

“Não tenho tempo para isso agora.”

• “Agora não é um bom momento.”

• “Talvez outra hora.”

A abordagem da declaração I

Tal como discutimos no capítulo anterior, a declaração I é uma ferramenta de comunicação composta por quatro partes que nos ajuda a ser diretos sobre os nossos sentimentos e necessidades:

“Eu me sinto _________________ quando você _________________ porque_________________. Eu preciso de _________________.”

Ao estabelecer limites, a afirmação I parece: “Sinto-me sobrecarregado quando você tenta conversar sobre as coisas momentos depois de uma discussão porque não tive tempo para processar sozinho. Preciso esperar pelo menos uma hora para me acalmar antes de discutir isso com você” ou “Fico chateado quando você discute meus problemas de saúde psychological com a família porque isso viola minha privacidade. Preciso de privacidade, por isso vou guardar para mim as informações sobre minha saúde psychological de agora em diante.”

A abordagem da transparência radical

Também podemos usar a abordagem de transparência radical para estabelecer limites. Como lembrete, esta abordagem funciona melhor com pessoas em quem você confia: pessoas que se preocupam com o seu bem-estar e que provavelmente não usarão a vulnerabilidade desta abordagem contra você.

  • “É difícil para mim dizer isso, mas quero ser honesto com você: _____________________________________ .”
  • “Eu sei que no passado eu ______________________________________mas estou tentando cuidar melhor de mim agora, então não posso continuar ______________________________________ .”
  • “Tenho medo de machucar você, mas é importante para mim que possamos ser honestos um com o outro. Quero que você saiba que não sou mais capaz ______________________________________ .”
  • “Estou nervoso para dizer isso, mas estou tentando ser mais honesto com as pessoas que amo, então preciso dizer que não posso ______________________________________ .”

A transparência radical é assim: “Pai, tenho medo de machucar você, mas é importante para mim que possamos ser honestos um com o outro. Quero que você saiba que não posso mais ouvir quando você desabafa sobre a mamãe. Isso me coloca no meio e não me sinto confortável em desempenhar esse papel” ou “Glória, sei que no passado me juntei a você e seus amigos para o retiro anual, mas estou tentando economizar dinheiro este ano, então não posso ir.”

A abordagem de falar abertamente

Às vezes, queremos falar abertamente como um meio de tornar conhecidas as nossas próprias crenças. Especialmente se alguém expressa valores ou ideais com os quais não concordamos, falar abertamente pode ser uma forma de honrar a nossa integridade e de inserir um limite psychological: a separação entre o que eles acreditam e o que nós acreditamos. Falar abertamente pode ser como dizer “discordo”, “não compartilho da sua opinião”, “na verdade acredito nisso”. _____”, ou “Eu acho o que
você está dizendo que é sexista/racista/transfóbico.”

COLOCANDO LIMITES EM AÇÃO

Se estabelecermos um limite de que um determinado comportamento não funciona para nós, precisamos nos afastar desse comportamento quando ele surgir. Caso contrário, o nosso limite é uma declaração sem sentido que não nos oferece protecção. Se você estabelecer um limite de que não pode mais participar de fofocas, então aplicá-lo será como sair da interação quando alguém começar a fofocar. Se você disser à sua mãe que não pode mais atender as ligações dela durante o horário de trabalho, impor esse limite significa deixar o telefone ir para o correio de voz quando ela ligar para você durante uma reunião. Se você estabelecer um limite de não continuar a conversa quando seu cônjuge estiver gritando, aplicá-lo será como abandonar a conversa quando seu cônjuge gritar.

Outras pessoas podem não gostar dos nossos limites ou podem rejeitá-los – discutiremos isso em breve – mas, em última análise, como os nossos limites dizem respeito às nossas próprias ações, aplicá-los está sempre sob nosso controle.

DESENGATAR COMO DEFINIÇÃO DE LIMITES

Quando nos desligamos, saímos de uma interação que nos é prejudicial. Ao nos desligarmos, reconhecemos que não podemos controlar as ações dos outros, mas podemos controlar o papel que desempenhamos na nossa dinâmica. Em vez de brincar de cabo de guerra, largamos a corda. Por muito tempo, a ideia de me desligar para estabelecer limites pareceu-me estranha. Afinal, eu estava tentando melhorar minha capacidade de falar abertamente, e isso parecia o oposto de falar abertamente. Eu temia que desligar fosse o mesmo que evitar conflitos: algo que fiz em meus dias de agradar as pessoas. No entanto, aprendi rapidamente que desligar-se como forma de agradar às pessoas é muito diferente de desligar-se como forma de estabelecer limites.

Durante anos, um dos membros da minha família fez comentários críticos sobre o peso de outras pessoas. Isso me incomodou infinitamente. Passei anos lutando contra meu peso, assim como muitos de meus entes queridos, e achei esses comentários insensíveis e desumanizantes. Tentei tantas vezes convencê-los a parar, mas nunca funcionou. Eles pensaram que eu estava sendo “muito sensível” e levando as coisas “muito a sério”. Não importa o quanto eu discutisse e persuadisse, eles não mudariam.

Esses debates frequentes me afetaram. Depois de cada um deles, senti frustração e raiva, e levei horas para me sentir calmo novamente. Eventualmente, percebi que estava tentando mudar alguém que não mudaria e me prejudicando no processo. Então, em vez de continuar a falar, desliguei-me. Quando faziam comentários sobre o peso das pessoas, eu não respondia. Não respondi ao texto; Encerrei a ligação; Saí da sala. Eu não poderia controlá-los, mas poderia controlar se dignificaria seus comentários com minha participação e minha presença.

Desvincular-se de um lugar que agrada as pessoas é baseado no medo. Quando nos desligamos por medo, pensamos: “Tenho medo de falar porque quero que eles gostem de mim” ou “Não quero balançar o barco, então é melhor ficar quieto” ou “ Não quero que saibam que tenho essa necessidade porque tenho medo que me julguem, então não direi nada.”

O desligamento como limite é baseado no poder. Quando nos libertamos dos limites, pensamos: “Não posso controlar como eles me tratam, mas posso controlar quanto tratamento negativo escolho suportar” ou “Não vou gastar meu valioso tempo e energia debatendo isso”. mais uma vez” ou “Não vou dignificar este comentário impolite com uma resposta”.

Às vezes, o comportamento de uma pessoa é tão prejudicial que nossa única opção é abandonar totalmente o relacionamento. Outras vezes, descobrimos que podemos manter um relacionamento se nos desligarmos de interações desagradáveis ​​ou diminuirmos nosso grau de intimidade ao longo do tempo. Existem seis estratégias de limites – três estratégias de curto prazo e três estratégias gerais – que podemos utilizar para nos desligarmos desta forma.

PARE de agradar as pessoas e encontre seu poder agora está disponível como capa dura, e-booke áudio-livro.

Related Articles

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Latest Articles