13.5 C
Brasília
Sunday, July 21, 2024

Quando o amor próprio não é amoroso… – Susie e Otto Collins


Eu estava prestes a completar 26 anos quando uma de minhas tentativas de amor próprio (e de ser amoroso com minha esposa na época) se transformou no maior desastre da minha vida.

O que aconteceu foi que um dia nosso vizinho, que period empreiteiro e construtor de casas, me disse que iria comprar um terreno não muito longe de nós e construir uma casa nova e totalmente incrível na propriedade.

Ele estava tão animado e fez parecer tão fácil que comecei a ficar animado em fazer a mesma coisa.

Quanto mais ele e eu conversávamos sobre isso, mais parecia factível.

Para encurtar a história, ele (e nós) decidimos entrar juntos e comprar não apenas o pedaço de terra que ele iria comprar originalmente…

Mas compraríamos o imóvel ao lado também e ele construiria duas casas em vez de apenas uma e continuaríamos sendo vizinhos e amigos.

Só então, em vez de morar em pequenas casas iniciais, nós dois teríamos casas realmente lindas e personalizadas nesta colina na floresta, com poucos vizinhos e whole privacidade.

Grande problema.

A casa que nosso amigo empreiteiro estava construindo para nós ultrapassou o orçamento, nossa antiga casa nunca foi vendida e minha esposa engravidou.

Além disso, nosso filho nasceu com grandes problemas de saúde (na época).

Quando tudo foi dito e feito – esta tentativa de amor próprio ao “ir atrás dos meus sonhos” e construir esta grande casa na colina que não podíamos realmente pagar…

Culminou no que viria a ser conhecido por mim como meus “3 anos de inferno”.

Talvez algum dia eu compartilhe mais detalhes específicos do que aconteceu depois.

Mas por enquanto, digamos apenas que quando esse período de três anos terminou, eu me senti totalmente sozinho, derrotado e abandonado – até mesmo por Deus.

Olhando para mim, aos vinte e poucos anos, eu period simplesmente jovem, burro e tão cheio de falsa confiança em mim mesmo que poderia ter sido considerado arrogante, vaidoso e arrogante.

Eu também quase não tinha autoconsciência.

Eu ainda não tinha percebido a importância de me fazer as “perguntas mais profundas” enquanto tomava decisões importantes sobre seguir em frente na minha vida…

E desacelerando.

Depois dos meus “3 anos de inferno”, eu não period mais arrogante, arrogante ou vaidoso.

Eu não tinha um pingo de confiança actual ou mesmo falsa em mim.

Alguém disse uma vez que a vida é o que acontece enquanto você está ocupado fazendo outros planos e certamente foi isso que aconteceu comigo.

Desde então, estou em uma jornada de 30 anos aprendendo sobre o amor próprio.

Nem sempre foi fácil, mas meu foco desde então tem sido, entre outras coisas, aprender a me amar e aprender a autoconsciência, para que eu saiba a diferença entre quando estou realmente me amando e quando venho de algum lugar ferido. Ainda estou carregando meu passado.

Aprendi que sempre há uma razão para tudo que fazemos.

Sempre.

Sem exceções.

Às vezes estamos cientes dos motivos e às vezes não.

O que estou descobrindo na minha vida é que existe uma grande diferença entre fazer algo e tentar passar um bálsamo em uma ferida antiga para não sentir e chamar aquela coisa de amor…

Em vez de fazer algo que seja um verdadeiro ato de amor próprio.

Hoje em dia, é a peça de autoconsciência e o quanto sou autoconsciente que me ajuda a ser mais (ou menos) capaz de me amar a cada momento.

Achei algumas perguntas extremamente úteis ao longo do caminho em minha busca por mais amor próprio.

Estas são (mas certamente não estão limitadas a) questões como…

“Por que estou fazendo isto?” e depois continuando com outra pergunta semelhante, mas diferente…

“Por que estou realmente fazendo isso?”

Essas duas perguntas são ouro puro para permitir mais amor próprio, porque ajudam você a chegar à verdade.

E finalmente, gosto de me perguntar…

“O que ter, fazer ou ser ISSO me daria que eu ainda não tenha?”

Anos depois, quando finalmente pude olhar para trás, para os 3 anos de inferno, com alguma objetividade e menos vergonha e responder a essas perguntas para mim mesmo sobre a decisão de construir a casa grande na colina…

Posso ver que minhas motivações foram baseadas no medo…

–Medo de que minha esposa não ficaria feliz a menos que eu lhe desse uma bela casa

–Medo de que, a menos que eu concordasse com meu vizinho neste “acordo”, ele pensaria menos de mim

–Medo de não parecer “bem-sucedido” para outras pessoas se não fizesse isso

Claro, percebi que não tenho como saber se alguma dessas coisas period verdade.

O que descobri é que tudo o que acho que preciso para ser verdadeiramente feliz, contente, realizado, bem-sucedido, amado ou qualquer outra coisa não é verdade.

Tudo o que preciso para ser alguma ou todas as coisas que acho que me trarão mais amor próprio é uma ilusão.

Eu já sou amor.

Eu fui criado do amor.

Eu sou Amor.

É que às vezes me esqueço disso.

Se você quiser conversar comigo sobre amor próprio ou tiver alguma outra dúvida, entre em contato comigo aqui…

Related Articles

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Latest Articles